O grande desafio das expectativas

Oi pra você! No último texto refletimos sobre a importância de dominar a intensidade de alguns sentimentos e viver o melhor de cada momento. Se você não leu, corre lá no texto: “Sentimentos a todo vapor, o que fazer?”, e continuando neste embalo, essa semana vou falar sobre um sentimento muito frequente e que também nos pega pelo pé na hora de preparar um evento. A frustração. Sim, ela mesma! Esse é um sentimento que nos acompanha por toda nossa vida; alguns conseguem lidar bem com ela, outros já encontram maiores dificuldades.

Nós criamos expectativas com basicamente tudo. No entanto, elas são projetadas para fora de nós e por isso não dependem somente de nós para encontrar o resultado esperado. E aí é que está o grande X da questão. Quanto mais expectativas criarmos, maiores as chances da frustração chegar.

Quando o assunto então é um evento único e marcante, como o casamento, por exemplo, ficamos a mil por hora, por dentro e por fora. Não é mesmo? É comum a gente idealizar tudo com uma riqueza de detalhes tamanha, que geralmente isso traz chateações pelo resultado final não ser exatamente do jeito que pensamos. Em algumas situações é até mais do que esperávamos, mas e as tantas outras coisas que não saem tão perfeitas assim?

Não estamos livres de imprevistos e é importante cultivarmos a flexibilidade para encontrarmos as melhores soluções quando alguns problemas surgirem e também para nos adaptarmos ao que não poderá ser mudado ou melhorado. Quando conseguimos desenvolver essa habilidade, a frustração não dura muito tempo e nem faz estragos em nossas emoções. É comum um sentimento provocar outro, e mais outro, e com isso nos percebemos cheios de conflitos internos, estragando nosso dia, nossa semana e por aí vai.

É fundamental para nossa regulação emocional, e consequente bem estar, esse domínio sobre nossas reações aos fatos. Para isso, o foco de nosso pensamento deve estar nas soluções e não nos problemas, ainda que por vezes a única solução possível seja se adaptar. Além disso, ficamos mais seguros quando buscamos relaxar e lembrar que o mais importante é O QUE vai acontecer, não o COMO vai ser.

Outras formas para conseguir manter a calma e exercer essa flexibilidade?

  • Ouvir sua música preferida (nos textos da Jéssyca você entende melhor os benefícios e a importância da música além da simples escolha do repertório para o evento);
  • Respirar profundamente por várias vezes seguidas (sim, é uma técnica e tanto!);
  • Caprichar na autoestima com um visual que represente a sua essência, isso também vale para o dia do evento para que você esteja satisfeita consigo mesma e se sinta radiante (a Laylla e a Mariane trazem dicas ótimas para isso na categoria moda);
  • Fazer listas de problemas com possíveis soluções anotadas ao lado também é ótimo para a visualização real dos fatos e clareza de pensamentos.

Encontro você no próximo texto e se quiser deixar aí o seu comentário, perguntas ou até temas para as próximas reflexões sinta-se em casa, esse espaço é seu!

Beijo no S2.